quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Jesus chorou

Há um tempo atrás eu havia escrito que em nosso tempo a causa maior de sofrimento e consequentes mortes não eram vírus, bactérias, guerras, pestes, enfim. A causa primeira era amor. Sim, amor, não a presença mas a ausência, ou a incompetência em manifestá-lo. Já ouvi que amor não existe. Existem provas de amor, onde não há provas não há crime.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Essa é minha dádiva, e minha maldição






Depois de tantas palavras. Malditas palavras, que mau uso faz delas. Ébrio, novamente. Fraco, como sempre. O quanto você é responsável por essa merda toda? Eu queria estar presente no dia primeiro que você se calou. Quiçá gritar até ficar rouca. Mandar calar-se, para sempre. Queria estar presente naquele exato momento eu que sua voz foi abafada pelo som produzido pela química embriagante. A agressão sofrida através de palavras descabidas. Posso perceber várias as possibilidades em que você deveria enlouquecer-se antes dele. Um monstro, nascido com sua permissão. Vai tomar no c#! Desculpe. Como dizia. A violência sofrida por aqueles que ainda tinham tão poucas ferramentas para entender tudo aquilo e muito menos para se defenderem. Eram dois, meninos. Eu escrevo do jeito que eu quiser. Vá se f#@%$!!! Ops! Como eu ia dizendo. Naquele tempo esperava-se que a tutora partisse em defesa de seus rebentos. No reino animal é assim. A fêmea sempre protege sua cria. Mas mentiras nunca foram boas armas, nunca, nunca serão. Mentiras são apenas paliativos, remendos, artimanhas feitas para ganhar tempo, até que se pense em algo melhor para se fazer. Eu não creio na evolução, eu entendo a evolução. Isso basta. Com a cabeça daquele tempo os meninos nada tinham para fazer senão esperar de sua tutora uma ab-reação. Contudo só o que eles viam era: silêncio. E junto com o silêncio vinha uma interrogação. Por quê? Mas como sempre o tempo continua sendo um ótimo remédio para curar aquilo que o homem não entende no momento. Com o passar dos tempos ele encontra pelo caminho as peças para completar o vazio do quebra-cabeça. Problemas toda família possui. Pelo menos era isso que o garoto de 7 anos entendia. Mas aquela família não falava sobre o ocorrido. Novamente o silêncio imperava, soberano, e ficava uma ferida. Com o fim do ano as esperanças renovavam-se. E a ferida cessava de doer, pelo menos por uns meses. A voz voltava a se manifestar. E novamente, nenhuma contra-voz surgia para fazer frente aos impropérios que ela pronunciava. Não era só a voz, tinha os gritos, os gemidos, os olhares, os pedidos de ajuda, o choro, tinha tudo isso, e eles só tinham poucos anos. Havia também terceiros que acompanhavam tudo de longe, e eles eram mais velhos que os garotos, e eles diziam que aquilo sempre existiu, desde que aqueles dois adultos jovens resolveram se casar. Maldito dia. Ou será que maldito não era somente aquele dia, será que malditos mesmos sejam as pessoas que conviveram com eles e serviram de exemplo. A raiz é sempre mais profunda, uma atitude tão bizarra assim não poderia ser tão recente. A força que a movia devia ser muito antiga, tudo que é antigo e sobrevive ao tempo tem de ser forte, muito forte. Aos poucos o garoto mais velho foi crescendo e algo dentro dele dizia que aquilo ali não era certo, nenhum pouco certo. Mas os adultos envolvidos continuavam a agir da mesmíssima forma, tanto o algoz quanto a vítima. Hoje me pergunto algumas coisas. É possível que não exista agressor sem uma vítima e que essa segunda tenha total responsabilidade sobre o que lhe ocorre. Como eu disse, uma força como essa não nasce da noite para o dia, ela soma uma mente debilitada, que foi forjada num contexto austero de punição e injustiça. E foi juntando-se a isso acontecimentos que não ensinaram nada para aquele garoto e ele nunca se permitiu perguntar-se se o que ele estava fazendo estava certo ou errado. O problema maior é que eles dois resolveram botar no mundo dois seres que por muito tempo seriam indefesos e absorveriam deles muita coisa, boa ou má. Com os livros e discos o garoto mais velho foi observando e questionando tudo aquilo que o rodeava e o tornava mais forte. Desde muito cedo ele foi obrigado a ter com situações das mais embaraçosas que pediam dele um posicionamento imediato e ele não tinha o devido tempo e preparo para ensaiar uma resposta. E a coisas iam acontecendo, simplesmente acontecendo, ele querendo ou não. Em muitas situações ordinárias ele encontrava-se embaraçado, tinha as mãos trêmulas, a face ruborizada, titubeava diante de situações comuns, onde outros garotos da mesma idade que ele tirava de letra. Ele não entendia, quer dizer, no fundo ele entendia sim, só não queria admitir, ter que botar o dedo naquela ferida fedida. A noite ele tinha pesadelos, criaturas estranhas que tentavam agarra-lo, ele sentia muito medo. Parecia a morte. Acontece que quanto mais ele tentava negar e parecer normal, que tudo estava bem, mas a coisas pioravam. Foi só quando ele aceitou o seu passado que as coisas começaram a mudar para o seu lado. Foram tantas as vezes que pousou de otário, bancou o ridículo, pareceu ser aquilo que não era. E sua existência parecia cada vez mais estranha e vazia. Ele foi percebendo que sua dádiva era também sua maldição(!). E como isso soava estranho. Ele tinha uma casa mas não um lar. Ele encontrava comida na mesa mas nenhum abraço nas horas difíceis. Ele tinha cadernos e lápis novos todos os anos, mas ninguém perguntava se ele ia bem nas aulas. E tudo isso foi forjando seu caráter como um ferro quente que brada a pele de um animal noviço. E seu castigo era continuar vivo, não que ele desejasse a morte, nem tinha recursos mentais para isso, mas ele queria que tudo aquilo cessasse, de alguma forma calar os gritos, todos eles. Era uma maldição que estava se perpetuando na nova geração? Era uma repetição de um comportamento herdado do seu genitor, que por sua vez sofreu com seu próprio genitor? Seria um circulo vicioso que tendeira a se repetir com seu filho? Aos poucos ele foi avaliando todas essas perguntas, para as primeiras ele não podia afirmar nem que sim, muito menos que não, mas quanto a última ele tinha um certeza. Quanto ao seu passado ele nada pode fazer, já está escrito no livro de sua vida, ele não pode apagar as palavras, muito menos arrancar as páginas, ele tem apenas páginas em branco a sua frente. Cabe a ele enxergar-se como um sobrevivente, isso como um maldito sobrevivente de guerra e mesmo parecendo acabada a contenda a noite tem pesadelos com campos minados e granadas sendo atiradas sobre sua cabeça. Esse livro não está acabado. E sua história também não. 

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Muito Pouco



É uma pena, mas você não vale a pena. Não a minha seriedade, a minha dedicação, a minha omissão frente a desejos sórdidos e carnais. Infelizmente, não vale, eu tentei, não me diga o contrário. O teu muito pra mim é tão pouco. Chega! Não me condene pela sua vileza, fraqueza, falta de nobreza. Eu não pertenço ao mesmo lugar que você se afunda tão devagar, não da nem pra tentar te salvar. Não sei mais do que sou capaz, gritando pra não ficar louco, em guerra lutando por paz. A qualidade está inferior, simplesmente seja o que julgar ser o melhor, mas lembre-se: o que começa com muito pode acabar muito pior. 

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Daughter



Estava atrás de satisfação para desejos carnais quando me deparei com esse sorriso. Não pude me calar diante de tanta graça. Tantos sentimentos outrora adormecidos e num instante estou às voltas rememorando velhos conflitos. O sorriso e o olhar desta criança fizera com que eu me deparace com os verdadeiros motivos pelo qual eu continuo a lutar. Pergunto-me o que a fez sorrir desta maneira, tao inocente e pura, com os braços abertos prontos para serem afagados com todo o carinho e o calor dos braços paternos. Linda menina, bela paisagem, um descanço para os olhos e um alento para a alma. Eu aqui do passado, quero dizer a você ai do futuro,minha filha, que por mais que eu queira não posso lhe garantir minha presença constante do seu lado, nem certificá-la de que todos os meus abraços sejam sóbrios, que todos os meus esforços para te amar sejam o suficiente. Luto para que o mundo que você virá a crescer e ajudar a construir seja fiel aos teus anseios, a tudo que você terá para viver, que ele te trate melhor do que eu até. Que esse mundo possa moldar o teu caráter e lhe fornecer alimento para o corpo e principalmente para alma. Nao se esqueça de visitar sempre a estante dos livros de nossa pequena casa, dê atenção especial aos grandes clássicos russos, a poesia mineira do bom Itabirano Drummond e do poetinha diplomata Vinícius de Morais, da voz divina do co-criador do Clube da Esquina o saudoso Bituca, e de tantas outras pérolas culturais que vão engrandecer ainda mais a sua doce alma. Hoje, escrevo essas palavras depois de mais um cansativo dia de trabalho e estudos. Saber que você me espera de braços abertos no futuro me torna ainda mais forte e garante que eu continue minha caminhada que a cada dia esta mais próxima do nosso encontro. Desde já sonho com o dia em que eu possa te sentir em meus braços e dizer algo que eu nunca ouvi: O papai te ama!!! Até breve minha princesa. : )

Criança da foto: Helena

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Deusa com ar de menina



"Não se prenda
A sentimentos antigos
Tudo que se foi vivido
Me preparou pra você
Não se ofenda
Com meus amores de antes
Todos tornaram-se ponte
Pra que eu chegasse a você"  
(Monalisa - Jorge Vercilo)

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Navio de Cristal





A vida é lá fora, eu sei disso, mas continuo aqui dentro de mim. Contudo, acredito que um breve momento pode valer uma existência inteira. Nada substitui o prazer de contemplar uma bela paisagem ou um momento belo que se passa em um instante. Vejo fotos diversas com sorrisos abertos, vejo pessoas felizes em momentos comuns compartilhando suas felicidades. Ainda sim continuo a preferir bons livros, uma única pessoa para amar e me dedicar, um cachorro e um violão. As coisas que eu sinto, as coisas que eu compreendo e as que sinto e não entendo. A inspiração surge de repente, não mais que de repente. Um momento especial é do mesmo jeito. Pode acontecer com uma pessoa nova, pode acontecer com a mesma pessoa. Vejo fotos de velhos amigos cuja amizade se deteriorou e agora só restam lembranças e pobres momentos fugazes. Deplorável. Lamentável. Vejo um velho amor que me decepcionou, tento ler em mim o que foi que eu fiz com aquilo, o que sobrou, tendo juntar os cacos e montar um vitral que seja bonito ao menos. 

domingo, 8 de janeiro de 2012

"Você sabe tão bem quanto eu...







... que uma das principais causas do tédio é a estreiteza de nosso destino. Todas as manhãs, nós despertamos iguais ao que éramos na véspera. Ser eternamente o mesmo é insuportável para os espiritos refinados, esses espiritos refinados pela reflexão. Sair do proprio eu é um dos sonhos mais inteligentes que um homem pode ter." 
(Antônio Abujamra - Provocações (TV Cultura) - 16 abril 2010)

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Se Deus não existe por que ser bom?




"Você realmente quer me dizer que o único motivo para você tentar ser bom é para obter a aprovação e a recompensa de Deus, ou para evitar a desaprovação dele e a punição? Isso não é moralidade, é só bajulação, puxação de saco, estar preocupado com a grande câmera de vigilância do céu, ou com o pequeno grampo dentro da sua cabeça que monitora cada movimento seu, até seus pensamentos mais ordinários e sórdidos." (Richard Dawkins)
"Se as pessoas são boas só porque temem a punição, e esperam a recompensa, então nós somos mesmos uns pobres coitados." (Albert Eisntein)

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Escrita de livre associação





Anderson Silva nocauteando Vitor Belfort no UFC.




Ultimamente tenho estado muito puto. Parece que uma nuvem negra resolveu pousar sobre nossas cabeças. Não sou mais religioso, não tenho mais explicações espirituais para meus infortúnios. Deixei a superstição para trás. Sou realista.
Certa dor me persegue. Está me sufocando, tirando-me o ar, derramando lágrimas dos meus olhos, fazendo meu coração ter medo de coisas que eu nem sei ao certo o que são. Estou muito puto. Doi.
Cansei de escutar desaforos, cansei de me oprimir, de baixar a orelha para tudo. Foda-se. Não adianta temer. O jeito é encarar. Deus não existe, não para mim. Ninguém poderá me ajudar, a não ser eu mesmo. O corpo dói, a alma está angustiada. Irei superar, irei gozar de novo. Serei frio. Serei racional. Não adianta colocar o coração à frente das coisas.
Meu demônio é você meu pai. A análise esta me apontando caminhos, propondo questões. Devo tirar você desse altar maldito em que eu confortavelmente o coloquei. Só eu sei como dói dizer isso e não o faço sem lágrimas que me ofuscam a visão e tenha certeza, essa é minha maior dor.
Cansei de ser abusado, oprimido e menosprezado. E to cansado também de esperar por alguém que me salve dessa merda toda. Ainda estou vivo. Se algo me mantém vivo é a esperança de que em algum momento futuro eu possa dizer que todo o sofrimento passado foi recompensado de alguma forma. Talvez eu esteja em dívida comigo mesmo.

A minha loucura é suportar o dia-a-dia. Foda-se se existam outra que sofram mais do que eu. Se um garoto da favela tropeça em corpos baleados no caminho à escola eu já me deparei com o corpo do meu pai estendido no chão do banheiro pedindo ajuda e chorando feito uma criança indefesa.Foda-se que aja crianças morrendo de fome na África; a minha fome é de paz e talvez ela nunca seja saciada. E daí que existam mutilados de guerra; a minha ferida continua aberta e todo dia ela dói um pouco, e às vezes sinto estar realmente enlouquecendo devido a ela.
Se eu morrer em um futuro próximo, por favor, não me esqueçam, afinal, ser esquecido é pior do que estar morto. Não esqueçam que eu existi, que eu suportei muitos sofrimentos, sobrevivi a duros golpes. Não que isso seja uma maldita carta de despedida de um suicida, mas que seja algo que toque alguém de alguma forma, e mesmo morto, esteja eu onde estiver, ficarei mais feliz.
Durante muito tempo eu permaneci calado. Sentia-me barrado, inferior aos demais. Subestimei minhas capacidades. Afinal, depois eu descobri que não me faltava capacidade, mas confiança.
Não vou deixar ninguém foder com minha vida. Não cometerei suicídio, não darei esse gostinho aos meus inimigos. ‎''E tem o seguinte, meus senhores: não vamos enlouquecer, nem nos matar, nem desistir. Pelo contrário: vamos ficar ótimos e incomodar bastante ainda.” Preciso esclarecer uma coisa. Não que eu tenha desafetos explicitamente declarados, mas a frase é boa e achei conveniente citá-la. Viu o que acabei de fazer? Sou piegas às vezes, pedante eu diria, (salve o Google nessas horas de palavras desconhecidas) , cito meus autores favoritos, os pensadores que admiro. E tem gente que não gosta, acha que é inautenticidade ficar citando frases de outros. FODA-SE!!! Sou assim, eles gostando ou não. É melhor saborear uma frase inteligente do que se dedicar a amar uma mulher.
Sim, eu já cai muitas vezes, metaforicamente e literalmente. Assim eu fui me constituindo, fui sendo forjando a custa de angústia e medo.
Das lutas que ganhei
Nenhum troféu pra casa eu levei
Das brigas que perdi
Essas sim, eu nunca esqueci, nunca esqueci.
Eu sou um puto. Um filho da mãe, desgraçado. Fico esperando amor e só recebo cuspe na cara.Namoro de merda, já começou errada, minha maldita carência. Chega de esperar as coisas entrarem nos eixos, não vai entrar nada. Agora o que interesse é o caos. Me deleitar com a perversão, anarquia, subversão dos valores e princípios. Re-volução a todo custo.
Maldita mania de querer consertar tudo. Por que pareço enlouquecer quando me sinto fora do controle da situação? Elogio à loucura. Culto ao caos. A desordem é a única certeza. Só a mudança é permanente. Vivendo em busca de dias melhores que nunca chegam. Só quero me sentir bem.
Os meus sonhos são outra coisa que me mantém firme na trajetória. Eu não realizei todos os meus sonhos, e  tenho certeza de que quando realizados surgiram outros mais. Ainda quero seduzir uma mulher, leva-la pra cama  e fode-la ao som de seus gemidos leprosos. Quero dirigir um carro potente ouvindo o bom e velho rockenroll do Led e do Pear Jam, o som que ainda consegue me emocionar e colocar sentido na minha dor. Tudo isso pode nem acontecer. Você poderá morrer num futuro breve e não gozar desses prazeres, então, trate de ser feliz agora, pra não se dar mal depois. O diabo deve estar sorrindo agora, e deus frustrado por ver seu filho nessas condições. Mas não, eles não existem, nem deus nem lúcifer, foram todos criados por nós, homens ociosos com o intuito de contar histórias para criancinhas e nos deliciar com suas carinhas de medo e espanto.
Página virada, outra se mostra virgem e nova à minha frente. O sonho de acelerar fundo um V8, ouvindo Led no talo. Quero ver o sol se pôr numa bela praia. Aprender a solar na guitarra elétrica. Quero saldar a dívida e me vingar do meu passado maldito. Quero transcender de uma forma ou de outra. Não é fácil sustentar um desejo. E isso é intransferível.
Não se trata de ter uma conta bancária de seis dígitos. Pseudo status social. Reconhecimento de interesseiros e sangue-sugas. Aplausos de estranhos. “Não sei o que quero, só sei do que não gosto”. Casamento de fachada, um amor de merda, fútil, estéril e infértil. Mulher opressora, fálica, sabotadora do sucesso alheio. Vá se ferrar!
Quero que meu filho tenha uma mãe digna, que tenha orgulho de mim e que eu seja bom pra ele.
Quero ter um pitbull. A força e a agressividade que eu não tenho, apesar de ser tão necessária às vezes. Sim, eu tenho muitos defeitos, dizia ela, mas o simples fato de você reconhecê-los, não lhe tira a responsabilidade sobre eles.


Já não estou mais tão puto.

Fábio Silva.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

O contrário também é verdade







"O gosto do prazer só é identificável se já sentimos o gosto da dor, que corresponde à vivência da experiência oposta do que nos provocou prazer. O contrário também é verdade. Exemplo: se eu não odiar as pessoas, não poderei amar ninguém; se eu não for odiado por algumas pessoas, não poderei ser amado por ninguém. Ou ainda, em outra instância: se eu não trabalhei, sofrendo e me frustrando em coisas contrárias à minha vocação, não poderei avaliar a totalidade do prazer que significa poder criar e produzir de acordo com meus potenciais humanos originais."
Roberto Freire

terça-feira, 22 de março de 2011

Escuta essa



Crise de meia idade deve ser um negócio complicado. O sujeito que completa sua primeira metade de século, se ve confrontado com a morte, através do irmão que luta contra um câncer na garganta. Irmão aquele que foi amaldiçoado anos atrás por esse mesmo sujeito de meia idade. Remorso.Se ve confrontado com a finitude da vida, a brevidade da própria existência, ve que ter acumulado bens materias em detrimento de boas relações com aqueles do mesmo sangue não foi a melhor coisa  a se fazer. Agora o sujeito tem que se haver com a angústia. Angústia essa que aperta o peito, doi no coração, e doi pra valer. Aquele cara que se faz de durão sempre se encontra com os olhos em lágrimas, falando manso, suave, quase nao se ouve sua voz, está debilitada, assim como seu espírito, confrotado com as verdades desse mundo. Ele chora na frente do seu filho, não é fácil demonstrar fraqueza diante do seu descendente, é no mínimo embaraçoso, mas ele está sob o efeito do álcool, maldito álcool. Mundo, maldito mundo, o que ele fez com você? A vida continua, se entregar é uma bobagem. É preciso se reinventar sempre. Reiventar. Outro caminho. Outra postura. Ressignificar o passado. Afinal, “O importante não é o que fizeram de nós, mas o que fazemos com o que fizeram de nós” Sartre.

Por Fabio Silva

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Eu e as palavras

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco! Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois ao vê-los loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que a "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.

Oscar Wilde

Oscar Wilde foi um dramaturgo, escritor e poeta irlandês. Expoente da literatura inglesa durante o período vitoriano, sofreu enormes problemas por sua condição homossexual, sendo preso e humilhado perante a sociedade.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Vontade luminosa II

Continuação...

Era só o que me faltava, uma alucinação, um pivete me dizendo que veio do futuro, e que tem algo a me dizer. Que porra é essa?!Depois de tanta coisa que eu passei, vou terminar a merda da minha vida num daqueles (depósitos de malucos) manicômios sórdidos e fedorentos? Vá-lá, o que veio fazer aqui, seja você quem for e venha de onde vier! Nosso grande homem pega nos braços do garoto, olha no fundo de seus olhos, o garoto parece sorrir, está calmo, sereno, ao contrário do andarilho, que se encontra irritadiço. Pois bem, ponho-me a cumprir minha missão, preciso lhe dizer sobre o futuro, e também sobre o passado. Por favor, me solte, vamos da uma volta, será mais fácil pra mim se caminharmos lado a lado, assim fugirei do seu olhar, ele me fustiga, intimida, dói. O nosso homem não pega o seu saco, apenas se levanta e põe-se a caminhar ao lado do garoto, esqueci de descrever nosso herói como um ser alto e magro embora lhe restasse alguns feixes de músculos pelo corpo, afinal ele trabalhou duro durante toda a vida. Pois bem, você deve estar se perguntado várias coisas a me respeito, mas de antemão lhe previno que isso não é importante, por hora essas são suas menores preocupações. Não se importe se eu sou ou não real, se venho daqui ou da li, como tudo na sua vida, o sempre caminhar dos fatos, o sempre acontecer das coisas na sua vida, eu sou algo que você não buscou, não procurou, não pediu aos deuses para que acontecesse, eu simplesmente surgi na sua frente, e agora você vai ter que ser ver comigo.  Eu lembro como se fosse ontem dos acontecimentos de nossa infância, quando aquele miserável chegava bêbado em casa, com os olhos perdidos, punha-se a insultar, ofender, chingar, e esculachar de todas as formas você, sua mãe e seu irmão. Ah meu garoto, eu me lembro como se fosse ontem, afinal, a cicatriz ainda persiste em doer, eu ainda ouço aqueles gritos miseráveis, ressoando na minha cabeça, fazendo nossas mãos tremerem debaixo desse céu amargo. Foda-se, você sabe disso melhor do que eu. Oh, por quais caminhos você seguiu, por que ruas você se embrenhou, quantas pessoas passaram em sua vida, lhe emocionando, lhe trazendo boas novas, trazendo esperança, mesmo não acreditando mais em um deus onipresente e onipotente, eu me lembro dessa época também, a nossa renúncia ao todo-poderoso, hahahahha, cuspindo na face sagrada de deus, como fomos ousados, nos aliamos às más companhias e aos bons livros, foi reconfortante, como foi. Detenho-me a falar das pessoas que passaram na nossa vida. Antes de continuar, quero lhe esclarecer sobre esse meu modo de falar, sempre em terceira pessoa, sempre falo "nós" quando me refiro a acontecimentos de sua vida. Todavia, meu discurso se configura desta maneira pois eu também estava lá com você, embora você não me visse, eu estava presente, em tudo que acontecia com você. Não eu não sou um miserável anjo da guarda - o garoto cospe ao chão com um ar de asco - por favor, sem falsa demagogia, sempre soubemos que isso era baboseira, crer na existência de um ser angelical, que tem a miserável missão de nos melhorar a sorte e nos proteger dos inevitáveis males da vida, que merda, eu não quero um função dessa pra minha vida, se por um acaso eu nascesse um anjo, iria foder todas as querubinhas do paraíso - longa risada sarcástica. Não, eu não era nada dessa baboseira, eu era o quê afinal? Não se apresse em encontrar respostas, afinal, sua vida inteira foi um culto à dúvida, ao talvez, ao "e si", mais importante era fazer as perguntas, e não se apressar com as respostas. Estou falando demasiadamente não é mesmo? estás irritado, estou vendo pelos seus olhos, sempre decifrei tão bem seu olhar, sou tão íntimo das suas emoções. O homem interrompe o discurso do garoto, o fedelho estava errado, aquela conversa toda estava agradando nosso homem. Com um ar de desdenho e descrença o homem proferiu as seguintes palavras. Então quer dizer que você estava comigo o tempo todo e não era meu famigerado anjo da guarda? Interessante. Que merda é você então?  


Continua...

domingo, 16 de janeiro de 2011

Vontade luminosa

Sinto que tenho como função, o interrogar da realidade, ser crítico, provocativo e refletir sobre o que me rodeia.



"Aquela é uma praça muito movimentada, daquela grande metrópole, pesquisas apontam que por dia passam por ali milhares de pessoas, dos mais diversos naipes, vestidas das mais diversas formas - gravatas, maletas, bolsas, cachecóis, vestidos, langeries, sapatos, etc,etc. Existem várias árvores, arbustos, bancos, lixeiras, no centro uma fonte luminosa, que há tempos está desativada pelo descaso e desatenção das autoridades competentes. Com tantas pessoas que passam por ali, há somente uma que não apenas está ali de passagem, há uma criatura de tem a praça como sua morada, o céu é o seu teto,  tem como testemunha de sua miséria as árvores e os animais que ali residem. Tem a pele negra, não se sabe se é pela raça ou pelo acúmulo de sujeira e a escassez de uma higiene adequada, por isso, cheira mal, exala um odor fédito, tem as mãos repletas de escaras, as unhas enormes, quebradas em alguns pontos, terra em baixo. Os cabelos encabrunhados, amarrado por um saco plástico. Estamos em junho, faz frio, muito frio. Aquela criatura tem hábito nômade, não fixou residência em nenhum ponto da cidade, só elegeu aquela praça como seu local de repouso, nem que seja por um breve tempo. Às vezes, ele sai a caminhar, roda por toda cidade, do centro à periferia, anda no meio da rua, atrapalhando o tráfego, anda pela calçada esporadicamente, infectando o ar com seu cheiro desagradável, algumas pessoas tapam o nariz, franzem o cenho, fazem cara de repugnância. Ele não se importa, ao contrário daquelas pessoas, ele nao se sente incomodado, muito menos insultado, aliás, aquelas madames  sim, elas parecem se insultar com a presença de um ser tão miserável e fedorento, ali, presente no meio da sociedade, infeiando, estragando o bem correr das coisas. Quando a caminhada é demasiada longa, ela para por um instante, tira das costas aquela saco de lixo que lhe serve com mala, para carregar algumas coisas, ninguém sabe o que ele traz lá dentro, é insignificante. Nesse momento ele parou à porta de uma botique, está anoitecendo, faz frio, venta forte, parece o presságio de uma tempestade. A dona da loja vem ao seu encontro. Ei, ei mendigo, saia fora, ande, vá embora, não vê que está espantando minha clientela, ande logo, ou irei chamar a polícia! Ela lhe joga algumas moedas, ele mantem sua postura, esta sentado, olhando fixamente em direção à praça, ele se quer olha pra mulher, se levanta, pega o saco, coloca às costas, e se encaminha em direçao à praça. Uma chuva torrencial desaba sob os traseuntes da praça, muitos correm em direçao aos seus carros, outros cobrem as cabeças, principalmente as mulheres, afinal, o cabelo deu tanto trabalho pra ser arrumado, e uma chuvinha nao irá colocar tudo a perder. Nosso herói caminhada devagar, a chuva é forte, o vento balança as copas das árvores, ele vai olhando pras árvores, imaginando coisas, pensando outras, está sozinho, nem um cão lhe serve como companhia, tanto tempo esculachado por aqueles de sua própria espécie, ele nao quis se aliar a nenhuma outra espécie animal. A chuva começa a cessar, é noite, as luzes começam a ascender, a praça está toda iluminada agora, ainda escorre a enxurrada, ele procura um banco pra se sentar, tem os pés descalços, como tem os pés grossos, dedos grandes, afinal, há muito tempo que ele mora na rua, e nao tem sapatos. Tem fome, nada pra comer, daqui a pouco começara a missa, e sempre tem algum carrinho de pipoca e cachorro-quente, alguns vendedores são de algum modo filantropos, que ama os homens e se ocupa em melhorar-lhes a sorte, e vez ou outra lhe oferece um lanche, aquele homem nao ousa pedirl, apenas se aproxima da barraquinha, e fica olhando as pessoas que se aproximam para comprar, alguns são pais satisfazendo a vontade se seus filhos, quando a vil criatura se aproxima esses pais tratam de pagar logo o vendedor e se afastar daquele ser repugnante, que parece oferecer perigo, afinal, nao se pode confiar em uma pessoa pessimamente festida, com o corpo imundo, e que traz a tira colo um saco de lixo como bagagem. O vendedor tambem com o intuito de afastar o intruso lhe dá um lanche, o homem pega, nada diz, se afasta. Ele vai se sentar em algum banco da praça, coloca o saco ao seu lado, e começa a comer. Uma criança se aproxima, o homem nao ve nenhum adulto por perto, a criança apareceu de repente, ele nem notou por onde ela surgiu, é um menino, ostenta ter uns oito anos, está muito bem vestido, tem roupas novas, as bochechas coradas, parece sadio, repleto vitalidade. O homem está a matar sua fome, o garoto o observa, assim ficam por alguns minutos, um observando o outro, sem nada dizerem, ate que nosso heroi se aborrece. "Ei garoto, cade sua mae?" O garoto nada responde, o homem da mais uma olhada em volta do banco e so ve pessoas ao longe, nenhuma mae ou pai procurando seu filho perdido. Ele engole o ultimo pedaço do pao, e pergunta mais uma vez ao garoto. "O que voce quer? Está perdido? Quer que eu lhe ajude a encotrar sua mae?" A criança apenas olha pra ele, tem um sorriso esboçado nos lábios, a cabeça levemente inclinada, braços entendidos rente ao corpo. Após um longo tempo em silencio contemplativo, o garoto esboça alguma reaçao. "Eu vim de longe, muito longe". O homem se espanta, afinal, ele fala, pensou ele. "Que bom que eu encontrei voce!" balbucia o jovem. "  Nosso mártir esta espantado, curioso e irritado. "Afinal o que quer esse miseravel, por que vem me tirar o sossego, estava tao bem antes dele chegar." O menino se aproxima mais um pouco, pega na mao do homem,  olha fixamente pra mao dele, em seguida fita seus olhos, seu olhar parece hipnotizador, o homem nada consegue falar, parece extasiado. "Eu vim do passado, nao me pergunte como, posso ter vindo na famigerada máquina do tempo, num foguete intergalaxico, ou ser simplesmente fruto da sua imaginaçao, um delirio, uma alucinaçao da sua debilitada mente, posso ser fruto de seu desarranjo de ideias, nao importa, o que interessa é o que tenho pra lhe dizer."

Continua...

Por Fabio Silva

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Lembrança


 


" Lembro-me de que ele só usava camisas brancas. Era um velho limpo e eu gostava dele por isso. Eu conhecia outros velhos e eles não eram limpos. Além disso, eram chatos. Meu avô não era chato. Ele não incomodava ninguém. Nem os de casa ele incomodava. Ele quase não falava. Não pedia as coisas a ninguém. Nem uma travessa de comida na mesa ele gostava de pedir. Seus gestos eram firmes e suaves e quando ele andava não fazia barulho.
Ficava no quartinho dos fundos e havia sempre tanta gente e tanto movimento na casa que às vezes até se esqueciam da existência dele. De tarde costumava sair para dar uma volta. Ia só até a praça da matriz que era perto. Estava com setenta anos e dizia que suas pernas estavam ficando fracas. Levava-me sempre com ele. Conversávamos mas não me lembro sobre o que conversávamos. Não era sobre muita coisa. Não era muita coisa a conversa. Mas isso não tinha importância. O que gostávamos era de estar juntos.
Lembro-me de que uma vez ele apontou para o céu e disse: 'olha'. Eu olhei. Era um bando de pombos e nós ficamos muito tempo olhando. Depois ele voltou-se para mim e sorriu. Mas não disse nada. Outra vez eu corri até o fim da praça e lá de longe olhei para trás. Nessa hora uma faísca riscou o céu. O dia estava escuro e uma ventania agitava as palmeiras. Ele estava sozinho no meio da praça com os braços atrás e a cabeça branca erguida contra o céu. Então eu pensei que meu avô era maior que a tempestade.
Eu era pequeno mas sabia que ele tinha vivido e sofrido muita coisa. Sabia que cedo ainda a mulher o abandonara. Sabia que ele tinha visto mais de um filho morrer. Que tinha sido pobre e depois rico e depois pobre de novo. Que durante sua vida uma porção de gente o havia traído e ofendido e logrado. Mas ele nunca falava disso. Nenhuma vez o vi falar disso. Nunca o vi queixar-se de qualquer coisa. Também nunca o vi falar mal de alguém. As pessoas diziam que ele era um velho muito distinto.
Nunca pude esquecer sua morte. Eu o vi mas na hora não intendi tudo. Eu só vi o sangue. Tinha sangue por toda a parte. O lençol estava vermelho. Tinha uma poça no chão. Tinha sangue até na parede. Nunca tinha visto tanto sangue. Nunca pensara que uma pessoa se cortando pudesse sair tanto sangue assim. Ele estava na cama e tinha uma faca interrada no peito. Seu rosto eu não vi. Depois soube que ele tinha cortado os pulsos e aí cortado o pescoço e então enterrado a faca. Não sei como deu tempo dele fazer isso tudo mas o fato é que ele fez. Tudo isso. Como eu não sei. Nem por quê.
No dia seguinte eu ainda tornei a vez a sua camisa perto da lavanderia e pensei que mesmo que ela fosse lavada milhares de vezes nunca mais poderia ficar branca. Foi o único dia em que não o vi limpo. Se bem que sangue não fosse sujeira. Não era. Era diferente."
Luiz Vilela

domingo, 2 de janeiro de 2011

Diniz, C.

Primeiramente queria deixar bem claro que estou sob efeito de álcool. Sim ,estou sob efeito de substancia que atordoa minha mente debilitada, e escrevo sob o efeito do maldito álcool. Em seguida queria muito mandar deus tomar no meio do seu cu e ir pro inferno, ter com satanás, trocar algumas palavras com lúcifer, e ir se ferrar. Pro inferno essa hipocrisia do caralho, sim, deus é uma fraude, "Oh, me adore ou irei castigalho, me adolatre ou irá se ver com minha fúria, se comporte decentemente ou o inferno o espera, irá sofrer a eternidade no purgatório" blá, blá, blá,estou cansado de tudo isso, estou muito puto, foda-se o seu deus, cuspu na cara do seu salvador, pro inferno com esse deus de merda, vá pro inferno - gritarei bem alto -  com todas as letras, deus é um filho da puta, um vadio, um miserável, ele nos odeia, se voce assim como eu se sente enjeitado de deus, junte-se a mim e cuspa em sua suja e sagrada face, pro inferno, ja lhe disse, pro inferno, quando meu pai chegava bêbado em casa e nao sabia quem era, onde estava ou quem seu filho era, esse bondoso deus, onipotente e onipresente nao "fez" porra alguma. Vá à merda seu crédulos de merda, evangélicos, católicos apostólicos romanos,jesuítas, kardecistas, e tantas religiões mais, vão se ferrar, todos vocês. Cada dia mais me convenço que não precisamos de religião alguma, chega de falsa demagogia, de hipocrisia, cada dia mais amamos menos o próximo, nos odiamos, nos maltratamos, metimos, logramos, falseamos, somos uns putos, desregrados, os enjeitados de deus. Foda-se, perdi meu amor, perdi minha salvação, agora pro diabos! Junto às más companhias e aos bons livros. Tenho dito. Bêbado, coração sangrando, mente ativa, mãos tremendo, alma limpa. Foda-se. Foda-se. Ou você se tonra um bondoso anjo, ou se torna um maldito demônio, um maldito demônio. O segundo caminho me soa muito mais conveniente. Muito mais conveniente, e eu nem o escolhi, fui escolhido. Não tenho saída, nunca tive escolha, sempre foi assim. Sempre.  Coisas miseráveis soando na sua cabeça, gritos agonizantes, desesperados, e você mal tinha idade suficiente pra suportar seu próprios demônios e já vinham tantos outros, eles te devoraram, te estraçalharam, sugando teu sangue e toda sua energia, e agora você é um deles. Um deles. Quem disse que foi escolha sua, de modo algum, eles te escolheram. O por quê não saberemos, não por enquanto. Agora se suas amargas mãos tremem sob esse céu tão lindo, o motivo você já sabe o que é. Não adianta. nunca te deixaramos, iremos te perseguir por todo o sempre, junto de você estaremos, lhe desafiando, lhe provocando, lhe insultando, depravados somos, de caráter vil, nada temos de honroso, de nobre, de grandioso, pelo contrário, transpiramos um odor desagradável, somos baixos, somos miseráveis, somos ingnóbeis, e estaremos sempre aqui, sempre. Cretinos, malditos, miseráveis, irei estraçalhar todos vocês.Vão se ver comigo, não perdem por esperar, irei me vingar, estou muito puto, quero correr atrás do tempo perdido, vou fazer a coisa certa, vou apertar sua jugular, pisar na sua garganta, cuspir na sua cara, socar seu rosto até estar desfigurado, eu vou lhe surrar, vou acabar com sua vil raça. Guarde bem minhas palavras. Vou tomar de assalto tudo aquilo que me pertence, pode ter certeza, irei tomar aquilo que é meu por direito. E tenho dito. O sol está dando as caras, é hora de me recolher à cama. Irei regozijar-me, repor minhas energias, dormir os sonhos dos que já se foram, até a próxima. Estarei por perto, sempre que precisar, sempre. Até breve. Ainda quero encontrar-te, tenho coisas a lhe dizer, coisas importantes, mas antes, tenho que viver outras coisas mais, saber outras coisas, entender outras tantas. Chega, basta por hora, até breve. Um abraço, e não se esqueça, essa vida é breve, e meu amor por você mais ainda. Mais ainda. Eu te amei, eu te amei pra valer. Pena que você nunca irá saber disso. Eu sou um puto!!!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Drummond



"O problema não é inventar. É ser inventado hora após hora e nunca ficar pronta nossa edição convincente."
(Carlos Drummond de Andrade)

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Dostoiévski

Fiódor Dostoiévski nasceu em 11 de Novembro de 1821 na cidade de  São Petersburgo,O escritor é considerado um dos maiores romancistas da literatura russa e um dos mais inovadores artistas de todos os tempos.Sua obra explora a autodestruição, a humilhação e o assassinato, além de analisar estados patológicos que levam ao suicídio, à loucura e ao homicídio. Morreu aos 59 anos, era epilético.




domingo, 19 de dezembro de 2010

Quem você é quando ninguém está olhando?






"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."
"Caráter é quando você faz o certo, mesmo quando ninguém está vendo."

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O Filme, o Livro, o Clube, a Filosofia



Clube da Luta 
Direção de David Fincher
Fala de Tyler Durden:
"Se nossos pais nos abandonaram, o que isso lhe diz sobre deus? Escute, tem de considerar a possibilidade de que deus não gosta de você. Nunca lhe quis, e provavelmente te odeia. Não é tão ruim assim, não precisamos dele, alias, ele mais atrapalha que ajuda. Pra puta que pariu a perdição. Somos os enjeitados de deus. Apenas depois de perdermos tudo é que seremos realmente livres.
A propaganda põe a gente pra correr atrás de carros e roupas, trabalhar em empregos que odiamos pra comprar merdas inúteis. Somos uma geração sem peso na história, sem propósito ou lugar, não temos uma grande guerra, não temos uma grande depressão. Nossa guerra é espiritual. Nossa depressão, as nossas vidas. Fomos induzidos pela TV a acreditar que um dia seríamos milionários e estrelas de cinema. Mas não somos. Aos poucos tomamos consciência do fato. E estamos, muito, muito putos."

"...Você é igual à decadência refletida em tudo. Todos fazemos parte da mesma podridão. Somos o único lixo que canta e dança no mundo.

Você não é sua conta bancária nem as roupas que usa, você não é o conteúdo de sua carteira, você não é seu câncer de intestino, você não é seu café com leite, você não é o carro que dirige nem suas malditas gatinhas.

Você precisa desistir. Você precisa saber que vai morrer um dia. Antes disso, você é um inútil. Será que nunca serei completo?..."

 P.S. Gostei do grito do homem das tetas grandes numa luta. Foi ótimo ter trocado as choradeiras do centros de ajuda, para o sangue e o suor do clube da luta. Vejam o filme. Fica a dica!

domingo, 12 de dezembro de 2010

Outra dose de poesia por favor!


 


Poeminha só porque amo você
Fabio Silva

Estou lúcido,
Sinto sua falta,
Estou carente do seu espírito,
Ai, como seus carinhos me fazem falta.

Estou sóbrio,
Melancólico, depressivo, já lhe disse,
Não se morre por doença, e sim por falta de Amor,
Oh, sem amor eu nada seria,

Estou decadente,
Apóie-me, não me deixe só comigo mesmo
Posso ser nocivo a mim mesmo
Dê-me o que necessito

Estou caindo,
Seu gosto, seu corpo, tudo
Provei uma vez, agora o quero sempre
Antes ignorava sua existência, hoje tu és minha nutrição, estímulo, motivação, recompensa, tesouro.

Estou incompleto,
Amor e fidelidade, basta-me
Solidão, consome, salva-me
És tão bela, tão bela, a mais bela

Estou sucumbindo,
Venha, diga uma só palavra, 
Um singelo gesto me salvaria, receio que venha rápido, ou os danos serão maiores
E me levantarei, com a força de um tornado, mais forte, mais viril, mais poderoso
Basta uma palavra, uma sequer, um estímulo, um doce beijo...

Estou ofegante,
Tudo isso me exige trabalho, esforço, é árduo
Afinal conquistar o que se deseja nunca foi tarefa fácil
Os fins justificam os meios???

Estou enfadado,
Entediado,
Confuso,
Ainda penso.
 

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Saramago,J.

 De agora em diante, esse blog tem a pretensão de ser indicativo de literatura (da boa,diga-se de passagem). Só tenho um critério, posterei apenas livros lidos por mim, e com uma breve descrição do autor e da obra. Começamos por uma obra que acabo de me deliciar, As Intremitências da Morte, José Saramago, falecido recentemente, único autor da literatura portuguesa a receber o Prêmiro Nobel de Literatura. Devorei o livro rapidamente, Saramago tem uma escrita rápida, eloquente, convidativa, e por que não, provocativa. O romance te seduz a ler cada vez mais sobre as peripécias da dona ossuda que resolve suspender suas atividades e ver (o circo pegar fogo) quer dizer, como os humanos lidam com tal situação. Saia da internet e vá conferir o que Saramago tem pra lhe dizer! Abraço e boa leitura.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Escrita de livre associação


O que você terá pra me dizer? Me diga. Diga-me que terei um futuro brilhante pela frente. Me tornarei forte, justo, corajoso, digno de merecer a vida que tenho. Eu como o único responsável pela minha própria condição. Ontem o menino amedrontado, hoje o quase-homem que procura redenção pelos seus erros e fraquezas do passado. Diga-me garoto, o que lhe faltou quando criança? Carinho, compreensão, afeto, cuidados, adjetivos tão conhecidos pelos adultos, mas tão em desuso. O excesso de punição, muitas vezes por atos banais ou por nem mesmo merecer. O excesso de exigências, a cobrança por um alto desempenho sempre, ser tão exigido desde muito pequeno, eu sei, você quase sucumbiu. A chacota dos amigos na escola e na rua. Confiança depositada inocentemente em pessoas que não mereciam nem mesmo sua atenção. E você foi crescendo meu garoto, rompendo as barreiras impostas pelas circunstâncias, derrubando gigantes, vencendo os próprios medos, derrotando os demônios que habitavam e ainda habitam sua alma, conquistando novos repertórios comportamentais para melhor enfrentar a vida. Enfim, a cada esquina uma nova aventura, e foram tantas, em quantidade e intensidade. E você mal sabe que há tantas outras ainda por vir. Algumas garotas, mãos trêmulas na maioria (senão todas) das vezes, a verborreia, e noutras o silêncio constrangedor. Eu sou assim, tímido, tenho vergonha, não por charme ou por escolha, mas porque as circunstâncias me vez comportar-me desse modo. Ei garoto, os tempos na escola, toda idade com seus prazeres e medos, foi assim. Tanto conhecimento descoberto, tantas habilidades desenvolvidas, a inatas e as adquiridas. Os relacionamentos interpessoais, disso não se tinha aula, só provas práticas, ou se era aceito, ou se era reprovado, para sempre, sem oportunidade de segunda chamada. Ele aprendeu, adquiriu habilidades, tomou por poder outras mais. Menino, muleque, meu guri, o filho amado, expectativas à seu respeito. Ninguém o ouvia, não escutava o que o garoto tinha a dizer. Afinal, como toda criança, ele não era um adulto em miniatura. Deparava com situações pela primeira vez, não sabia o que fazer, o que dizer, como se portar, não sabia traduzir os olhares, ler nas entrelinhas, entender o não-dito pelo dito. Inevitavelmente só aprendeu errando, falhas necessárias para o seu desenvolvimento, tudo isso torcendo para o mínimo de prejuízos. As brincadeiras, o futebol com os amigos, as conversas sobre o mundo e a cultura que ele estava inserido, os desenhos animados, tudo muito bom. Diga-me garoto, de uma só vez, sem pestanejar, tudo aquilo que você aprendeu, aquilo que você ignorava e agora tem o domìnio. Diga-me de um só fôlego, todas as emoções e sentimentos que fizeram seu coração acelerar e pulsar mais forte. Diga-me garoto, que antes você se intimidava e se colocava em menosprezo ao estar numa sala frente à pessoas até então desconhecidas, e atualmente você se porta como um guerreiro valente e corajoso, que enfrenta tudo e todos que lhe cruzam o caminho. Antes o cãozinho amedrontado que se encolhia e tremia num canto qualquer, hoje o cão raivoso, sedento por atividade, violento quando se deve ser, grunindo por um mundo mais justo. Antes a ignorância que amedrontava, hoje a posse do conhecimento que liberta o espírito que anseia por liberdade. O que você vê pela janela, diga-me garoto, espero por uma palavra sua. Sob ataques de inimigos, que não são tão inimigos assim. Todo homem mata aquilo que ama, e a par do amor, é esperável que alguém nos magoe, tenha ciência desse fato, tome nota. Anda, apresse por aprender mais essa lição. Já está anotando? Não? Pegue os livros esquecidos na estante, eles tem algo muito importante a lhe dizer, desligue a televisão, vá à missa com seus pais, preste atenção nas palavras do sacerdote, e quando estiver mais crescido, não se furte do direito de questionar e criticar todas aquelas palavras. Anotando? Espero que sim. Não acredite nos elogios, verifique antes quem proferiu tais palavras, quais eram suas reais intenções. Palavras podem vir encharcadas de sarcasmo, ironia, blasfêmia, cinismo, e você terá que separar o joio do trigo. Você será enganado, traído, logrado, mal-compreendido, injustiçado, encurralado, agredido, desrespeitado, e terá que se haver com todos esses fatos. Lembre-se, uma certa dose de agressividade sempre cai bem nessas horas, sempre. Ah, seus telefonemas não serão atendidos, seus apelos serão desprezados, seus sentimentos menosprezados. Entenda, na sua maioria essa vida NÂO é justa, agradável, confortável, doce, calma, paciente, prazerosa. Tudo depende da sua postura diante da vida. Pode-se se deixar derrotar, colocar a culpa no presidente, na professora, na esposa, no cachorro, em deus, tudo isso só servirá pra uma única coisa: tirar a responsabilidade pela sua condição de suas costas, e consequentemente colocar o poder de mudar sua vida na mão de terceiros. Persiste meu guri, persiste. O importante de toda viagem não é a chegada nem a partida, mas a travessia. Já lhe disse sobre os males e os desprazeres dessa vida, agora chega a hora de mostrar-lhe que a vida tem muitos atrativos interessantes. O abraço apertado daquela garota dos olhos doces. O bom papo com um ansião. Conversas entre amigos, a relação das amizades, o companheirismo, o apoio, o poder contar um segredo, um medo, uma fraqueza. Compartilhar momentos felizes. A inocência das crianças, a beleza por trás daquele sorriso puro. Tenha certeza, toda aquela atitude que houver carinho, afeto, atenção, amor, benefício mútuo, relação de ajuda e camaradagem, tudo isso será válido. Terá valido a pena, terá recompensa o sofrimento, a dedicação, o sacrifício. No fim das contas não importa muito o que você espera da vida, e sim, o que a vida espera de você. E de toda essa divagação ficaram duas coisas: a certeza que estava sempre recomeçando, e que seria interrrompido antes de terminar.

Por Fabio Silva.

O que nós temos para o jantar?

O que eu to fazendo aqui, nessa vida medíocre? Ou, fala pra vc, no fim das contas é vc com vc mesmo. Foda-se sua mãe, seu pai, seu irmão, sua namorada, seus amigos, nada disso importa. No fim das contas sobra sempre vc contigo mesmo. Pra que fugir, se o medo vai mais junto com vc? Pra que deixar pra depois, se o quanto antes melhor?
Claro que essa merda poderia ser melhor, e será. Não se morre por doença, câncer, tumor, ou algum vírus, se morre por falta de amor, carinho, afeto, atenção, morre-se cada vez mais por desgosto, falta de sentido na vida, por falta de esperança ( a alma também adoece e precisa de auxilio). A cada abraço negado, a cada beijo não dado, a cada aperto de mão postergado se morre mais um pouco. E pior do que isso, um abraço fraco e fingido, um beijo sem vontade e sem paixão, um aperto de mão sem força e vigor, tudo isso é ainda pior. No fim do dia vc sempre tem que prestar contas a si mesmo, alguns dirão que no fim da vida também. O que importa de verdade não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida. Todo homem é finito por sua natureza, mas por suas atitudes e por suas idéias ele pode se tornar imortal.


Tenho tanto há lhe perguntar. Tanta coisa que eu gostaria de saber sobre você. Ciúmes do passado que me escondes, do presente em que não estou com você, e do futuro que me excluis. Ciúmes de quando você se vestiu lindamente e não foi para mim ( que seja, talvez o melhor momento seja quando você estiver se despindo somente para mim). Ciúmes das bocas que te beijam, dos braços que te acalentam, do vento que toca sua pele e esvoaça seus cabelos, das palavras que te encantam e não são as minhas, das pessoas que lhe agradam e que não são iguais a mim. Como eu sou egoísta, não?! É como o maldito Nietzsche afirma, o homem que ama é como um dragão que guarda e protege um tesouro, ele o quer somente pra si, deseja privar o mundo inteiro daquele bem tão precioso, criatura tão egoísta, tão egoísta. Anseia protege-lo, admira-lo, usufruí-lo, para seu bel prazer. E quando não alcança seu objetivo se angustia, se frustra, se entristece. Já lhe disse isso antes meu velho, aquele que pregava tanto a liberdade entre um casal, agora sofre com aplicação na pratica de suas palavras. Que seja, não me arrependo do que disse, e não penso o contrario de antes. Não tenho todas as respostas, por enquanto.


Enquanto eles se enfraquecem, eu me fortaleço. Enquanto eles se decompõem em partes menores até desaparecerem, eu me reconstruo a cada dia, peça por peça, afim de me aperfeiçoar cada vez mais. O fim do desenvolvimento não é o começo da decadência, não para mim.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Deletar ou não deletar, eis a questão!

Sempre que eu quiser sei onde te encontrar.
Às vezes me pego pensando em quantas coisas eu aprendi ao longo dos dias, dos anos, dos meses, do encontros, do desencontros, das experiências, dos erros, do acertos. O quanto cada pessoa que cruzou meu caminho me acrescentou na formação da minha personalidade, os psicanalistas diram que isso é identificação.
Quanta coisa eu nao sabia e agora eu sei, continuo com o mesmo defeito - a ignorância, e o maior vício - o conhecimento.
Tanta coisa sobre música, os cantores, os virtuosos da guitarra, os ícones da história do rock'n roll, onde se fazia música por vocação e não como hoje em dia se faz, ou seja, pra vender milhoes de discos empurrados à guela a baixo dos consumidores alienados e imbecis. Tanta música boa, que me pergunto como vivi tanto tempo sem conhecê-las para aprecia-las e me deleitar com suas melodias, que atualmente embalam os meus pensamentos e sentimentos mais subversivos, mais loucos, mais sórdidos, mas insanos e ao mesmo tempo românticos e sensíveis.
Outra coisa, os Livros, sim, a leitura, um paraíso que descobri a tempo de poder me salvar de mim mesmo. Os autores, os poetas, cronistas, ensaistas, críticos, filósofos, psicológos, sociólogos, antropólogos, cientistas, médicos, biólogos, e toda as ciências exatas, humanas e biológicas. Sim, você é aquilo que você sabe e questiona. O mundo se divide naqueles que possuem o conhecimento e aqueles qua não o possuem, e isso faz toda a diferença. Você é aquilo que você lê, as ideias que estão em sua mente lhe constitui como algo além de um amontoado de células e tecido nervoso.
Uma observação importante, as principais coisas que eu aprendi foram além dos muros da escola, claro quem meu professores fizeram a parte deles, de orientar, apontar caminhos, construir a base daquilo que eu sou hoje, o que eu fiz foi só dar continuidade ao processo, lapidar o mineral que ainda se encontrava em seu estado bruto, transcender para algo mais elevado, buscar caminhos diferentes.

Estou cansado do futuro. Cansado. Titubeio às vezes, às vezes não, muitas vezes, muitas. Por tudo aquilo que eu ainda vou viver, vou sentir, vou temer, vou desejar, vou provar, por todas as tempestades que atravessarei, caramba, quantas oportunidades para me tornar mais forte. Espero ansioso por todas elas. Chega por hoje, basta por hora, estou cansado, sonolento, faminto, preciso de água, de sexo, de sono, de sexo, de comida, de sexo, de carinho, de sexo, de atenção, de um BOM sexo por que não?!

O que vos fala aqui pode nao ser mim, ou poder ser, poder ser a parte mais genuina do meu eu, porque aqui eu me encontro só comigo mesmo, sem sensuras, sem castrações, sem vergonha, sem frescura, sem viadagem. Vomito tudo pra fora, todo lixo, tudo aquilo que penso, sinto, desejo, questiono, critico, acredito. Quando escrevo penso que ninguem vai ver isso, eu realmente acredito nisso, mas logo depois me lembro que isto esta disponivel na ferramenta de comunicação mais fantastica que o homem ja criou, a internet, dai me lembro que um aborígene na Australia com uma boa conexao podera ler meus devaneios e saber da minha simplória existência. Ai ai, a globalização. O papa levou um tiro a queima a roupa, por isso de agora em diante anda de vidro blindado, porra, se deus nao protege o papa, entao eu to fudido!